Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Rostos Santacombadenses

... dar voz aos filhos de Santa Comba Dão!

Rostos Santacombadenses

... dar voz aos filhos de Santa Comba Dão!

Teófilo Pereira Ramos

teófilo ramos.jpg

"Um artista que viveu intensamente e que nos deixou um legado de aventura, arte e irreverência vivendo lado-a-lado"
Teófilo Pereira Ramos nasceu em Santa Comba Dão no ano de 1892 e depressa rumou à casa Regadas no Bairro da Estação onde aprendeu a arte de trabalhar a madeira. Na altura própria saiu e estabeleceu-se por conta própria em Nagosela, lugar do concelho santacombadense que faz fronteira com o vizinho concelho de Tondela. Casou com Maria Amada de Deus [Ti Maria Caganeira] a quem presenteou com uma vasta prol. Seis filhos: Emilia, Manuel, Natalia, Assunção, Gabriel e Zeferino.
Ou porque o trabalho era pouco ou porque o espírito aventureiro o deixava desassossegado, Teófilo juntou serras, plainas e martelos e montado na sua bicicleta pôs-se a caminho por esse Portugal afora. Passava temporadas longe de casa, meses e até anos. Sabe-se que teve oficinas em Belmonte [Serra da Estrela], no Minho [em Carias, Amares, Braga] e em Castelo Branco. Por volta dos 50 anos, a saúde, ou falta dela, trouxe-o definitivamente de volta a casa e regressou ao ponto de partida, ao local onde aprendeu a arte de carpintaria/marcenaria, à firma Regadas & Irmão.
Amante da pesca desportiva, não havia dia que o velho Dão não recebesse a sua visita. Mesmo em dias de trabalho. Ainda de madrugada, antes de enregar, Teófilo tentava a sua sorte e após dar descanso às serras tentava novamente ludibriar barbos e bogas. Diz-se que tinha sorte. Ou habilidade, talvez seja melhor dito. Foi "vício" que transmitiu a filhos e netos e muitas histórias se contam do Teófilo-pescador. Uma delas é que jamais temeu as polícias por pescar sem licença e um dia apanhado com "meia-dúzia" de varas [canas-da-índia] perfiladas na margem do rio em posição de pescar, não se atrapalhou: é que ao avistar a patrulha da GNR cortou simplesmente o fio de cada uma das varas. Como acusar de pescar, alguém que é portador de canas sem anzol nem minhoca?
A sua irreverência não se ficava por aí. Dotado de um enorme sentido de humor, algumas das suas atitudes causaram-lhe fortes dissabores, como ser obrigado a permanecer alguns dias atrás das grades no posto da GNR por actos que chocavam o puritanismo da época [como apresentar-se em lugar "chique" de comes e bebes com uma chouriça dentro de um penico] ou por palavras que dizia, em que o Estado Novo e Salazar não eram poupados. Contudo, no Carnaval as irreverências de Teófilo Ramos eram perdoadas e passavam incólumes. As gentes santacombadenses esperavam ansiosamente p'la quadra carnavalesca curiosas apenas pelo que ele iria apresentar. "O que faria Teófilo no Carnaval desse ano?" era a pergunta que circulava de boca em boca. Num belo ano, Teófilo preparou um caixão em cima de uma carroça ou carreta simulando o funeral da sogra por quem não morria de amores. Quis o "destino" que na verdade a mãe da mãe de seus filhos falecesse exactamente na Terça-feira de Carnaval, mas tal não foi motivo que impedisse Teófilo de sair à rua com o que tinha arquitectado lamentando-se em alta voz por a sogra não o ter deixado divertir-se naquele Carnaval.
O seu espírito de inventor-arquitecto estará bem patente em obra que não foi documentada em foto ou vídeo mas que passou oralmente para as gerações mais novas: o presépio do Teófilo. Desconhece-se o Natal exacto em que a obra foi concebida mas o relevante da questão é que o artista inventor engendrou uma forma de dar movimento aos figurantes através de um sistema comandado por uma alavanca escondida sob o presépio. A fama granjeada foi de tal ordem que ultrapassou as fronteiras do burgo e vieram gentes das terras vizinhas admirar o presépio do Teófilo.
Teófilo Ramos era assim, um artista de mãos na arte de bem trabalhar a madeira e uma mente inovadora capaz de construir todo o tipo de engenhoca.
Teófilo faleceu em 1956 com 64 anos de idade e a sua morte foi noticiada n' O Século, jornal de tiragem nacional, quiçá a mando de "alguém bem posicionado" contemplado com a obra artística de Teófilo.

... foto e dados fornecidos pela neta Neide Paula

Teófilo Ramos no facebook