Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Rostos Santacombadenses

... dar voz aos filhos de Santa Comba Dão!

Rostos Santacombadenses

... dar voz aos filhos de Santa Comba Dão!

Margarida Ferreira Rodrigues

guidinha rodrigues - rato.jpg

Margarida Ferreira Rodrigues, mais conhecida como Guidinha, forma carinhosa como era chamada por todos na cidade de Santa Comba Dão, local em que viveu por 72 anos. Guidinha nasceu em Belém, capital do Estado do Pará no Brasil em 10.04.1912. Filha de Abílio Rodrigues Rato e Maria do Carmo Ferreira Rodrigues. Seu pai era oriundo de Nelas e sua mãe de Santa Comba Dão. O seu nascimento se deu no Brasil devido o seu pai ter sido deslocado para esse país a trabalho como Mestre de Obras. Guidinha permaneceu no Brasil até os seus 13 anos de idade quando seus pais retornaram a terra natal. Desde ai, nunca mais Guidinha retornou ao seu país de nascimento, permanecendo e criando raízes em Santa Comba Dão, cidade adotada de coração pela mesma para morar, formar família, e adquirir laços de amizade e ser feliz. Por volta dos 19 anos Guidinha casou-se com um parente distante que se chamava Arnaldo Rodrigues, natural de Nelas. Desse casamento, nasceram 03 (três) filhos: Maria Elizabeth F. Rodrigues Coelho; Arnaldo Abílio Rodrigues e Maria do Carmo Rodrigues Lemos. Dos três filhos, apenas Maria do Carmo Rodrigues Lemos permanece em Portugal até aos dias atuais, no entanto em outra localidade, no caso: Amadora. Maria do Carmo lhe deu uma neta e um bisneto. Maria Elizabeth F. Rodrigues Coelho, sua primogênita, casou-se em Portugal, no entanto mora no Brasil, lhe deu 03 netos, 07 bisnetos e 02 tataranetos, todos nascidos e residentes no Brasil. Arnaldo Abílio Rodrigues, seu segundo filho, também estabeleceu moradia no Brasil se casando nesse país e dessa união nasceram 02 netas e 05 bisnetos, todos brasileiros também residentes no referido país. 
A vida de Guidinha foi longe dos filhos. Dedicada à igreja Testemunhas de Jeová, trabalhou como voluntária nas atividades comunitárias da igreja visando sempre ajudar ao próximo. Mesmo doente ninguém via Guidinha triste ou reclamando de seus problemas, pelo contrário, vivia sozinha com dificuldade de locomoção, mas sempre sorrindo e distribuindo simpatia por onde passava. Guidinha faleceu no dia 07.12.1997, com 85 anos em Tondela, na presença dos três filhos, no entanto seu corpo foi enterrado na cidade que tanto amava: Santa Comba Dão. A morte não apagou a história de Guidinha, seus familiares e amigos ainda relembram com muita saudade a sua alegria de viver. Saudades eternas.
... texto redigido por sua filha D. Elizabeth Rodrigues Coelho, residente em Belém do Pará, Brasil.

Margarida Rodrigues no facebook