Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Rostos Santacombadenses

... dar voz aos filhos de Santa Comba Dão!

Rostos Santacombadenses

... dar voz aos filhos de Santa Comba Dão!

Manoel e Hilda

manoel e hilda.jpg

Com sangue santacombadense a correr-lhe nas veias, Manoel Branquinho Neves nasceu no Brasil em 1918 e era filho de António Neves e Joaquina Morais Branquinho [já aqui retratados], casal oriundo de Santa Comba Dão, mas emigrado na cidade de Belém, capital do Estado do Pará. Quando Manoel tinha dois anos, a família regressou às origens e estabeleceu-se novamente no torrão natal que deixara uma dezena de anos antes. Manoel contava apenas cinco anos quando duro golpe atingiu a família com a morte prematura do pai António Neves e a família entrou em grandes dificuldades económicas. Sobrevivia à custa do trabalho de costureira da mãe Joaquina. Aos 17 anos de idade, Manoel é convidado pelo irmão Fernando, já emigrante em Belém, para regressar ao Brasil onde nasceu e por Terras de Grão-Pará aliou o trabalho aos estudos formando-se em Gestão.
Casou em 1944 com Hilda Tavares Ferreira, uma brasileira, professora, de ascendência portuguesa nascida em Belém em 1920 e filha de um engenheiro de Pessegueiro do Vouga, Aveiro, e de uma madeirense [Faial] que se conheceram no Brasil. O casamento de Manoel e Hilda gerou duas filhas: Joaquina de Fátima e Maria Augusta. Em finais da década de 50, a família Branquinho Neves veio de férias a Santa Comba Dão beber das origens e ficou 10 meses, tendo D. Hilda nesse período ministrado um curso de confeitaria por terras santacombadenses ainda lembrado pelas gentes mais velhas. D. Hilda faleceu em 1996 e Manoel deixou-nos no ano 2000, perto de completar 82 anos de idade.

... foto e dados fornecidos pela filha Joaquina de Fátima.
Manoel e Hilda no facebook